Como degustar um vinho – parte III, por Daniella Romano

Publicado em 27/07/2017

Agora que você já sabe por que observar a taça do vinho e como avaliar o aspecto visual da bebida, que também já aprendeu como descrever os aromas do fermentado de uva… Chegou, enfim, a hora de prová-lo! A Sommelière Daniella Romano dá dicas para aprender a dizer mais do que “hummm… gostoso!” ao degustar um vinho. Fique por dentro!

Por Daniella Romano

Quando degusto vinhos, minha cabeça viaja já no primeiro gole. São tantas informações ao mesmo tempo: peso, corpo, acidez, taninos, aromas, álcool, amargor, dulçor, adstringência… Puxa, parece muita coisa para quem está começando, mas é importante se perguntar “porque pensar nelas?”.

É porque nessa etapa começamos a buscar as sensações táteis, aquelas que sentimos ao colocar a bebida na boca e elas são muito estimulantes, afinal já passamos pelo olhar, pelo olfato e agora é a vez de sorver, beber o liquido e deixar-se levar pelo prazer que um bom rótulo pode proporcionar.

Geralmente, em primeiro lugar, eu busco o calor: esse vinho é “quente” (muito alcoólico) ou é fresco (menos álcool), em seguida percebo a acidez com o aumento de salivação (sensação de água na boca, por exemplo, que o limão causa) – é muito alta, média, baixa? Logo vem a busca pelos taninos, que causam a sensação de adstringência na língua (a mesma sensação que sentimos quando comemos caju ou caqui verde). Quanto mais adstringente a língua ficar, mais taninos tem o vinho. É doce ou seco? Tem gás? E os aromas?! Consigo perceber mais aromas ou o vinho repete os mesmos que já senti quando girei a taça? Todas essas informações ajudam a formar a nossa opinião sobre a bebida.

Depois de observar tantas coisas fica fácil descrever o vinho, a conversa flui e, com certeza, você poderá deixar de lado o “hummm…que gostoso!” e passar a dar muitas opiniões sobre o líquido que está em sua taça. Para dar uma ajudinha, preparei uma lista com alguns termos que utilizamos em degustações profissionais para explicar aspectos do vinho, eles são excelentes descritores.

  • Abboccato: vinho levemente açucarado
  • Ácido: vinho que provoca intensa sensação de salivação
  • Adstringente ou tânico: vinho muito seco, que provoca sensação de secura na boca por causa dos taninos
  • Amadeirado: vinho que tem notas de carvalho, de baunilha ou de pinho
  • Amanteigado: adjetivo bastante usado para descrever vinhos brancos que foram fermentados e envelhecidos em barricas, passaram por fermentação malolática e ficaram em contato com as lias (leveduras mortas)
  • Aveludado: vinho extremamente macio, lembra a textura de veludo
  • Bouchonée: vinho que tem aroma e sabor de rolha ( é um defeito do vinho)
  • Cansado: quando o vinho ultrapassa o seu melhor momento, já envelheceu excessivamente em barrica ou em garrafa e perdeu a sua vivacidade
  • Carnoso ou carnudo: quando possui muitos aromas frutados, concentrados; quando é rico, intenso; quando tem caráter maduro, é harmonioso e de corpo pleno
  • Chato: adjetivo que indica falta de acidez no vinho; de vivacidade; de profundidade; de gosto ou até mesmo de corpo
  • Complexo: vinho interessante, rico em aromas
  • Duro: vinho com elevado teor de tanino e ou excesso de acidez (frequente nos vinhos de longa guarda quando aberta muito jovens)
  • Equilibrado: quando todos os componentes do vinho estão na proporção correta, nenhum se sobrepõe
  • Estruturado: adjetivo que indica boa presença de álcool, ácidos e taninos no vinho
  • Fechado: vinho que não mostra muitos aromas, que ainda não está pronto para beber

Cheers!

Daniella Romano percebeu que tinha olfato aguçado depois de se formar Sommelière pela Federação Italiana de Sommeliers, Hoteleiros e Restauradores no Piemonte. Decidiu seguir estudando os aromas do vinho e passou por instituições como Universidade de Davis e Université du Vin de Suze-la-Rousse. Pioneira no estudo e desenvolvimento das caixas de aromas do vinho no Brasil, é hoje referência no assunto e compartilha o seu conhecimento no The Wine Institute, entre as principais escolas de educação de vinho no mundo.

Esta matéria fala sobre: Primeiras taças!

Matérias relacionadas:

Como degustar um vinho – parte I, por Daniella Romano

Continue lendo

Como degustar um vinho – parte II, por Daniella Romano

Continue lendo

“First things first”, por Daniella Romano

Continue lendo

"We need glasses, baby", por Daniella Romano

Continue lendo

"Cooling things" (ou a temperatura de serviço ideal), por Daniella Romano

Continue lendo

A escolha do vinho certo no restaurante, por Daniella Romano

Continue lendo