Guia de harmonização: Pinot Noir (a mais versátil das uvas tintas!)

Publicado em 10/05/2016

Na dúvida, Pinot Noir! São as características da Pinot que fazem dela um verdadeiro curinga das harmonizações. Aprenda a combinar vinho e comida perfeitamente com a Grand Cru!

O primeiro passo para aprender a combinar um Pinot Noir com comida é identificar as características do vinho. A cepa, conhecida por sua pele fina, é a tinta de corpo mais leve, tem acidez marcada no paladar e é bastante aromática – mas seus vinhos variam bastante de uma região para outra. Podemos dizer que, de modo geral, há dois tipos de Pinot Noir: os do Velho Mundo e os do Novo Mundo.

A elegância e delicadeza da Pinot Noir no Velho Mundo

Os Pinots da Borgonha representam o estilo do vinho que é produzido a partir da variedade no Velho Mundo. Pelo rubi translúcido da taça, já indicam o corpo mais leve (e menos interferência de carvalho novo).

Os exemplares mais simples exibem aromas de frutas silvestres frescas e têm paladar mais leve com quase nada de tanino. Enquanto isso, os mais complexos têm aromas que variam de cogumelos a terra, passando por notas selvagens, e chegam a ter paladar mais estruturado (até médio corpo). Mas sempre com boa acidez. Para harmonizar:

1. Boeuf Bourguignon

É a harmonização mais clássica da Pinot Noir no Velho Mundo é o Boeuf Bourguignon. Além da mesma intensidade aromática do prato, tem acidez suficiente para limpar o paladar entre uma garfada e outra.

2. Trufas

As notas terrosas e selvagens dos Pinots com maior complexidade aromática combinam perfeitamente com as notas marcante das massas com tartufo.

Um pouquinho mais estruturada, a Pinot no Novo Mundo

Já no Novo Mundo, Nova Zelândia, Estados Unidos e Chile disputam o posto de principal produtor da uva. Embora haja diferenças entre os estilos, é possível encontrar características em comum que, de modo geral, definem um estilo de produzi-la no além mar.

As mesmas frutas silvestres marcam presença nos aromas, mas aparecem maduras dessa vez e ganham toques herbáceos (que podem variar de vegetais, nas versões mais simples, até ervas secas para chá e feno, nas mais bem elaboradas). Um pouco mais de corpo também acompanha a Pinot no Novo Mundo – por vezes, até alguns taninos. Não raro é encontrar mais presença de madeira nova aqui por meio dos toques defumados e pela maciez do paladar.

Para harmonizar:

1. Pizza de cogumelo

Com caráter maduro e mais estruturado, os Pinots do Novo Mundo pedem por pratos mais robustos, como uma pizza de cogumelo e presunto cru, que tem notas semelhantes às do vinho e ainda o embutido, com seu peso e gordura.

2. Croque Monsieur

Justamente por ser feito com molho bechamel, uma mistura de queijos e presunto, o croque monsieur é indicado para harmonizar os Pinots do Novo Mundo – além de ter um toque de descontração semelhante ao dos vinhos feitos da uva por aqui.


Por Gustavo Jazra

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

A Pinot Noir pelo mundo

Continue lendo

5 fatos que você não sabia sobre garrafas de vinho

Continue lendo

10 livros para presentear quem ama o mundo dos vinhos

Continue lendo