4 passos para acabar de vez com o medo de pedir vinho em restaurante

Publicado em 06/07/2015

Um dos motivos a despertar o interesse no vinho é o ritual que ele envolve. De fato, é bonito, mas muitas vezes constrangedor. O que fazer quando o sommelier entrega a carta de vinhos, oferece a rolha e sugere a prova?

1°passo: o que escolher primeiro: vinho ou comida?

Para a escolha de ambos tenha em mente a seguinte regra: vinhos encorpados pedem comidas encorpadas. Vinhos leves, comidas leves. Se já escolheu o prato no cardápio, peça dicas para o garçom ou sommelier de um bom vinho para acompanhá-lo ou se permita perder um tempo avaliando a carta de vinhos. Algumas dicas que podem ajudá-lo: procurar vinícolas que já conhece e gosta, uvas que mais aprecia, ou até mesmo vinhos dos mesmos países/regiões que você costuma provar. Os Chardonnays da Califórnia, por exemplo, costumam ter características comuns, assim como os Carménères do Chile.

Não tenha medo de dizer para o garçom ou sommelier qual o estilo de vinho que você está acostumado a beber e até algumas vinícolas que gosta. Isso é muito importante para que ele consiga indicar um rótulo que você com certeza irá aprovar, em uma faixa de preço que está confortável em pagar.

2°passo: a apresentação da garrafa

Nessa etapa, o sommelier fará a apresentação do vinho para confirmar sua escolha. Para isso, vai segurar a garrafa na altura dos seus olhos e mostrar o rótulo. Veja se esse é realmente o vinho que você escolheu, conferindo o nome da vinícola, da uva e a safra. Se você tiver pedido um vinho em taça é possível que ele já esteja aberto, com uma rolha à vácuo de segurança. Siga a explicação dele e dê a autorização para a abertura da garrafa e para a prova do vinho.

3°passo: o que fazer com a rolha?

Provavelmente o sommelier, ao desarrolhar a garrafa, lhe entregará a rolha. Muitos enófilos cheiram a rolha em busca de defeitos – para saber se o vinho foi contaminado por algum tipo de fungo, geralmente o TCA –, algo razoavelmente difícil de acontecer. A rolha contaminada exala cheiro de mofo, parecido com papelão molhado. Não tenha vergonha de simplesmente agradecer por ele ter lhe entregue a rolha sem precisar cheirá-la, deixe que ele prossiga com o serviço.

Aqui contamos um pouco mais sobre os tipos de rolhas e a contaminação por TCA.

4°passo: a prova do vinho

A prova do vinho é um momento delicado para muitas pessoas que estão dando os seus primeiros passos no mundo do vinho. Afinal, como avaliar o vinho que está sendo servido? Quais defeitos procurar? É possível recusar um vinho? Vamos por partes!

A primeira coisa que você deve ter em mente é se está sendo servido por um sommelier ou por um garçom não especializado. Um sommelier profissional vai provar uma dose mínima do vinho para que ele mesmo se certifique que o vinho está bom e na temperatura correta, antes de servir a prova para você. Caso a pessoa responsável pelo serviço do seu vinho não prove, ele está passando a responsabilidade para você. Para isso, será oferecida uma prova do vinho, colocando uma pequena quantidade da bebida na sua taça.

E aí, o que fazer?

Gire a taça, avalie os aromas e tome um pequeno gole!

A primeira coisa que você deve avaliar é a temperatura correta do vinho. Se for um tinto e estiver muito calor, não tenha receio de pedir que o garçom resfrie um pouco mais a garrafa antes de servir a bebida. Uma dica para descobrir se o vinho está quente é se ele está com o álcool muito acentuado, chegando a arder as narinas e a garganta. Se for um vinho branco ou espumante, você pode pedir um balde com gelo para ficar na mesa.

E os defeitos? O principal defeito que você pode sentir na taça é se o vinho está oxidado. Para perceber isso, avalie se ele está com um gosto mais pronunciado de vinagre. Esse é o único motivo que você tem para, de fato, recusar o vinho servido.

Não gostei do vinho, e agora?

É muito importante ter em mente que a prova não é o momento de descobrir se você gosta ou não do rótulo que escolheu, uma vez que a garrafa já está aberta e precisará ser descartada. Se você realmente não gostou do que provou por uma questão de gosto e paladar, uma dica de elegância: peça para o garçom guardar a garrafa já aberta para você levar para casa no final da noite, e peça um outro rótulo para acompanhar o jantar.

Agora que você já está craque no assunto, confira a nossa matéria com 7 dicas para não cometer gafes com o sommelier do restaurante, por Massimo Leoncini.

Santé!

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

7 dicas para não cometer gafes com o sommelier do restaurante, por Massimo Leoncini

Continue lendo

"Cooling things" (ou a temperatura de serviço ideal), por Daniella Romano

Continue lendo

A escolha do vinho certo no restaurante, por Daniella Romano

Continue lendo