Conheça os diferentes tipos de rolhas para garrafas de vinho

Publicado em 30/09/2016

Rolhas de cortiça inteiriças, rolhas de cortiça aglomerada, rolhas de espumantes, screw cap, cera, rolhas sintéticas e até mesmo de vidro: conheça os diferentes tipos de rolhas para garrafas de vinho!

Embora as tradicionais rolhas de cortiça sejam as mais utilizadas para vedar garrafas de vidro em todo o mundo, já não é de hoje que novos tipos começaram a aparecer no mercado. Cada modelo influencia diretamente em como o vinho é guardado e, por isso, é importante conhecer cada um deles.

Conheça os principais tipos de rolhas do mundo

Rolhas de cortiça tradicionais

Você sabia que a cortiça é retirada de uma árvore? Ela nada mais é do que a casca do carvalho do tipo Quercus suber, conhecido como Sobreiro. Muito comum no sul de Portugal, o Sobreiro pode chegar até 20 metros de altura e 150 anos de idade. É da camada morta dessa árvore que vem 90% da cortiça do mundo, e durante sua vida ela fornece cerca de 12 colheitas de cortiça.

A cortiça é considerada padrão para vedar garrafas de vinho desde o século XVII, quando o uso de garrafas de vidro se popularizou. Sua elasticidade, aderência, longevidade e permeabilidade foram consideradas ideais para guardar os vinhos dentro das novas garrafas e manter sua qualidade.

Uma das características mais importantes das rolhas tradicionais é que, embora proteja o vinho do ambiente externo, a cortiça permite certa troca de oxigênio com o ar, condição ideal para um bom envelhecimento da bebida. Por isso ela é utilizada para vinhos de guarda até hoje.

Antiga forma de colheita de cortiça do Sombreiro

Antiga forma de colheita de cortiça do Sombreiro

Dentre as rolhas de cortiça existem outros subtipos, como as rolhas maciças, as rolhas aglomeradas, as rolhas técnicas e as rolhas de espumantes. Entenda:

Rolhas Maciças

As rolhas maciças são feitas de um bloco único e cilíndrico de cortiça. É o melhor e mais procurado tipo de rolha, já que, por serem inteiriças, vedam o vinho ao mesmo tempo que permitem trocas gasosas com o ambiente externo.

Rolhas Aglomeradas

Após extrair todos os cilindros de cortiça para a produção das rolhas inteiriças, ainda sobram os fragmentos dos recortes da cortiça. Esses pedaços são triturados e unidos com cola no formato de uma rolha.

As rolhas de cortiça fragmentada são menos resistentes e mais baratas, mas são excelentes para vinhos de consumo imediato, ou seja, que serão degustados de seis meses a um ano após o seu engarrafamento.

Rolhas Técnicas

A rolha técnica é uma mistura da rolha maciça e da aglomerada. Para produzir esse tipo de rolha utiliza-se o miolo do cilindro de fragmentos de rolha, enquanto as suas extremidades são feitas de um disco de cortiça maciça. Dessa forma é possível ter uma rolha mais barata e ideal para vinhos de consumo imediato, mas com mais durabilidade e qualidade. Um exemplo de rolha técnica é a rolha de vinhos espumantes, que falaremos a seguir.

Rolhas de Espumantes

As rolhas de espumantes são rolhas bastante especiais, pois são produzidas para manter a pressão dentro da garrafa e conservar as borbulhas desses vinhos. Com a cabeça maior do que o corpo, esse tipo de rolha é mais trabalhosa de abrir, já que existe que se controle a pressão durante a sua retirada para evitar que ela seja disparada com velocidade, o que pode causar acidentes e machucar alguém seriamente. A parte de cima dessa rolha é feita de cortiça aglomerada e a parte que fica dentro da garrafa é de cortiça maciça.

Uma curiosidade: as rolhas de espumantes são cilíndricas e uniformes, assim como as de vinhos tranquilos. No entanto, são bem mais largas que o gargalo da garrafa para que sejam compridas durante o engarrafamento e conseguirem, assim, manter a força da pressão interna das borbulhas. Faça um teste: após abrir uma garrafa de espumante de safra recente, veja como a tendência da rolha é voltar ao seu tamanho normal. Cerca de 24h após aberta, a rolha pode voltar à sua espessura original.

Outra excelente alternativa para vinhos de pouca guarda, as rolhas sintéticas são feitas de plástico e possuem um grande diferencial em relação às de cortiça: por não serem de matéria orgânica elas são imunes à contaminação de fungos, que costumam atacar de 2 a 5% das rolhas de cortiça e liberam substâncias que interferem na qualidade do vinho, processo conhecido por bouchonée.

Rolha sintética.

Rolha sintética.

Rolha do tipo screw cap

Muito se engana quem pensa que o screw cap, ou as tampas de rosquear, são apenas para vinhos de baixa qualidade. Muito utilizadas nas garrafas produzidos no Novo Mundo, esse tipo de lacre é ideal para vinhos de consumo rápido. Precisamos lembrar que uma das características mais procuradas das rolhas de cortiça é a sua porosidade, permitindo uma micro-oxigenação durante a sua guarda e consequente evolução. Como os vinhos feitos para beber jovens não devem ser guardados, o ideal é que eles sejam preservados impedindo o contato da bebida com o ar. Além de vedar completamente o vinho, o screw cap é muito fácil de abrir e totalmente reciclável!

Rolhas de vidro ou vino lock

As rolhas de vidro são semelhantes à tampa screw cap no sentido que impedem completamente o contato do vinho com o ambiente externo. Escolhidas, em geral, pela sua estética, ela é utilizada em garrafas especiais e é a mais fácil de ser aberta. A vino lock é a mais cara dentre todos os tipos de rolhas e, por isso, é utilizada apenas em vinhos finos.

Vino Lock

Lacre de cera

Já viu uma garrafa de vinho com um lacre de cera? A mesma cera que antigamente era usada para lacrar cartas e documentos importantes também era usada nas garrafas de vinho, impedindo a micro oxigenação que ocorre naturalmente pelas rolhas. Hoje, esse lacre é muito raro de ser encontrado, pois é usado apenas por vinícolas que trabalham de forma bastante artesanal.

Por Marina Leal.

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

5 fatos que você não sabia sobre garrafas de vinho

Continue lendo

10 vinhos de até R$70 com excelente custo-benefício

Continue lendo

Conheça os diferentes espumantes produzidos pelo mundo

Continue lendo