Tudo o que você precisa saber sobre os vinhos do Vale Central, no Chile

Publicado em 18/05/2016

Você já deve ter reparado que a viticultura chilena é toda distribuída em vales. Vale de Casablanca, do Maipo, do Leyda… Mas o Vale Central é sempre o mais lembrado. Entenda o que há por trás da denominação de origem mais popular do Chile!

O que conhecemos como Vale Central é, na verdade, uma denominação para a produção de vinhos provenientes de diversos vales do Chile: Vale do Maipo, Vale do Maule, Vale do Curicó e Vale do Rapel (dividido entre Colchagua e Cachapoal). Justamente por essa razão é mais fácil encontrar vinhos que estapem Vale Central no rótulo do que Vale do Maipo, afinal é possível produzir um vinho com uvas provenientes de mais de uma localidade.

Para conhecer a fundo o coração da vitivinicultura chilena é precisa entender as especificidades de cada uma de suas regiões. Confira abaixo:

Vale do Maipo

O Vale do Maipo é o mais conhecido vale chileno – e o ponto de referência quando o assunto é a vitivinicultura do país andino. A região se divide em Alto Maipo, próximo à Cordilheira dos Andes, e Baixo Maipo, perto da costa do Pacífico.

No Alto Maipo, as altitudes podem chegar até 1.000 m, o que significa uma temperatura mais fresca em relação ao Baixo Maipo. Além disso, a altitude faz com que a diferença de temperatura entre dia e noite, chamada de amplitude térmica diária, seja maior, ajudando o amadurecimento dos taninos e o desenvolvimento de maior elegância no vinho.

Já o Baixo Maipo, com temperaturas mais elevadas, tem influência direta dos ventos do Pacífico e, portanto, sofre uma queda significativa de temperatura durante a noite. Seus vinhos são, por consequência, mais frutados (chegando a altos níveis de concentração de fruta) e tem taninos mais maduros também.

Embora sejam constatadas mudanças de temperatura entre o Alto Maipo e o Baixo Maipo, o clima predominante é mediterrânico (invernos chuvosos e verões secos) e o solo é aluvial de boa drenagem, com presença de calcário e argila.

O principal destaque do Vale do Maipo vai para os seus vinhos de Cabernet Sauvignon de estilo maduro.

Vinho Tinto Vistamar Sepia Cabernet Sauvignon Reserva 2015 750 mL

Vale do Maule

Ao sul do Vale Central, o Maule  concentra a maior área de videiras plantadas no Chile. Trata-se de uma das mais antigas e tradicionais regiões chilenas e, por isso, ainda é mais fácil encontrar a casta crioula País nessa localidade.

De modo geral, o Vale do Maule tem topografia plana com pequenas ondulações e solo calcário-argiloso com origem vulcânica. Justamente por ser mais fria, a região destina grande parte de sua produção aos vinhos brancos – sobretudo Sauvignon Blanc e Chardonnay -, embora também seja comum encontrar variedades tintas como Merlot e Carménère.

Vinho Tinto Mancura Guardian Reserva Carignan 2013 750 mL

Vale do Curicó

Logo acima do Vale do Maule e entre os rios Teno e Lontué, está localizada a região Vale do Curicó. Embora o clima e solo sejam os mesmos que o do vizinho Maule, a diferença principal do Curicó é umidade ocasionada pela pluviosidade um pouco mais elevada, o que acarreta uma diminuição na amplitude térmica diária.

Os vinhedos estão localizados na planície e nas encostas da Cordilheira, que dão mais expressão aos vinhos feitos com Cabernet Sauvignon, Merlot e Carménère, uvas de cultivo tradicional na região. Seus vinhos são tradicionalmente mais encorpados e exuberantes, mostrando bastante expressão varietal.

Alguns produtores começaram a investir recentemente no potencial da Pinot Noir, da Cabernet Franc e da Malbec (acredite!), que se mostra cada vez mais expressivo.

Vale do Rapel

O Vale do Rapel está dividido entre Vale do Cachapoal a sul e do Colchagua a norte – trata-se do centro de enoturismo do Chile.

A apenas 90 quilômetros de Santiago, o Vale do Cachapoal tornou-se grande ponto de enoturismo do Chile – e, inclusive, oferece a Rota do Vinho Chileno como passeio turístico. A Cabernet Sauvignon é a variedade que mais se beneficia das condições climáticas do Cachapoal, mas também é possível encontrar grande volume de Carménère e Merlot na região.

Vinho Tinto Terrapura Classico Cabernet Sauvignon 2015 750 mL

A existência de sub-vales com microclimas específicos favorecem a diversidade de vinhos encontrados no Vale do Colchagua. De modo geral, podemos dizer que foi nas cepas tintas que o Colchagua encontrou seu ponto forte. Isso porque o clima é moderadamente quente e conta com grande amplitude térmica diária ocasionada pelos ventos gélidos da brisa do Pacífico. Os solos são em sua maioria compostos por mistura de calcário e argila, podendo ter conteúdos de granito.  É fácil encontrar bons exemplares feitos de Cabernet Sauvignon, Merlot, Carménère, Syrah e Malbec de todas as áreas da região.

Vinho Rosé Vistamar Brisa 2016 750 mL


Por Gustavo Jazra

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

Altaïr: um Grand Cru de Saint-Émilion no Chile

Continue lendo

A Syrah pelo mundo: Vale do Rhône, Austrália, África do Sul, Argentina e Chile

Continue lendo

Os principais países produtores de vinho do Novo Mundo: Argentina, Chile e Uruguai

Continue lendo

A história da uva Carménère no Chile

Continue lendo