Patagônia: uma região que produz vinhos de alta qualidade no extremo sul do continente

Publicado em 18/01/2017

Conhecida pelos vinhos intensos, carnudos e também por excelentes rótulos de Pinot Noir, a Patagônia se destaca cada vez mais no mundo do vinho. Conheça a história da região com um dos climas mais extremos do mundo, e as características do terroir que produz vinhos com sabor refinado e surpreendente intensidade aromática.

Localizada no sul da América do Sul, a região abrange grande parte do território do Chile e da Argentina, em uma área de aproximadamente 800 mil quilômetros quadrados. A porção do território responsável pela produção vitivinícola é quase inteira argentina, e dominada por produtores com ligações estrangeiras.

A produção vitivinícola na Patagônia começou no início do século XX, quando alguns engenheiros britânicos desviaram o curso do Rio Negro, importante rio da região, para irrigar um vale destinado à produção de maçãs. Depois disso, a região já foi responsável por produções de peras e marmelo, até que recebeu, pela primeira vez, mudas de parreiras da uva Vinis vinífera, que logo demonstraram um desenvolvimento muito interessante no terroir. Todo o vale do Rio é adequado para o cultivo da uva, sendo o Alto Vale responsável pelas uvas de melhor qualidade.

As principais províncias produtoras de vinho hoje na porção argentina da Patagônia são Rio Negro e Neuquém. A principal característica da região são os ventos fortes vindos da Antártica que, embora deixem as temperaturas muito baixas, evitam a chegada das doenças da parreira. O resultado são vinhos fortes em estrutura e personalidade, brilhantes e carnudos.

Conheça o terroir e os vinhos da província de Rio Negro

A região pertence à Argentina, e se localiza entre Buenos Aires e a Cordilheira dos Andes. Devido à sua geografia, Rio Negro tem boa insolação, baixas altitudes e pouca pluviosidade.

Diferente do que normalmente pensamos, o clima frio acontece por conta da forte influência da Antártida, e não da Cordilheira dos Andes. Afinal de contas, as vinícolas estão localizadas em baixas altitudes, a aproximadamente 200 metros acima do nível do mar. Além disso, os dias em Rio Negro são predominantemente muito quentes e as noites muito frias, facilitando o cultivo de castas como Pinot Noir e Merlot, que se desenvolvem bem em locais com grande amplitude térmica.

Rio Negro possui melhores condições climáticas para a viticultura do que Mendoza. O solo é similar, mas possui mais horas de sol, característica essencial para a maturação adequada das uvas. Nessas condições, os taninos e polifenóis têm tempo suficiente para atingirem sua maturidade, e a taxa de açúcar residual não é tão alta quanto em Mendoza. As condições climáticas locais resultam em vinhos com excelente acidez.

Região da vinícola Humberto Canale.

Região da vinícola Humberto Canale.

Neuquém: a região das vinícolas da Patagônia

A sudoeste de Rio Negro e quase colada com o Chile está Neuquém, a capital da província de mesmo nome. O terroir da província é caracterizado por solos aluviais e coluviais, ou seja, são formados por sedimentos que foram transportados pelo vento, por rios, pelo mar ou pela gravidade.

Já o clima da região apresenta altíssima amplitude térmica, mais de 20°C de diferença entre o dia e a noite. As precipitações dificilmente ultrapassam 180 mm anuais e os ventos no local são fortes. As castas mais cultivadas ali são Malbec, Merlot, Cabernet Sauvignon, Syrah, Pinot Noir, Chardonnay e Sauvignon Blanc.

As características mais marcantes dos vinhos de Neuquém são a alta concentração de cores e aromas, os taninos que evoluem lentamente e a acidez que atinge um bom nível. São vinhos de alta qualidade, com aromas frutados, muito corpo e estrutura.

Vinhos da Patagônia: quais experimentar?

O vinho tinto Humberto Canale Merlot é uma excelente opção da região do Rio Negro. Ele é marcado por muita elegância e acidez pronunciada, com taninos delicados que dão o toque final para um perfeito e persistente equilíbrio. A companhia perfeita para um cordeiro assado com vegetais, pizzas e tábua de frios.

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

A Pinot Noir pelo mundo

Continue lendo

A história do vinho na Argentina

Continue lendo

Roteiro de viagem e Dicas de Enoturismo: 3 dias em Mendoza

Continue lendo