Escolhendo o vinho certo: safras históricas da última década

Publicado em 23/05/2016

Quanto mais velho o vinho, melhor? É aí que você se engana… Essa regra vale para apenas 5% de todos os vinhos produzidos por safra (acredite, 95% deles devem ser consumidos no ano seguinte à colheita!). E é justamente sobre isso que vamos falar hoje: como identificar vinhos destinados a longa guarda e colecioná-los por décadas na adega

Quando a safra importa?

Você já deve ter ouvido falar na histórica safra de 2010 para Bordeaux (e os disputados vinhos que nasceram naquele ano!). Isso porque trata-se de uma região com condições climáticas extremas – em alguns anos, é muito seco; em outros, a temperatura sobre muito além do esperado; em alguns, ainda, pode chover bastante perto da época da colheita… Mas não 2010.

A safra começou com um inverno que registrava temperaturas muito abaixo da média – fazendo com que os produtores já começassem a se preocupar. Mas isso começou a mudar com a chegada da primavera e, principalmente, do verão – fase de amadurecimento das uvas. Além das temperaturas ideais (calor moderado de dia, frio de noite), que garantiram vinhos com boa acidez e frescor, a safra contou com muitas horas de iluminação solar, que ajudou na concentração de aromas e sabores, além da maturação dos taninos. Além disso, a falta de chuva na fase final de maturação causou stress hídrico ideal nas videiras.

Com essas condições, foram colheitas ao final da safra uvas com qualidade para produzir vinhos com bastante corpo, acidez e taninos, fatores fundamentais para guarda do vinho. Isso sem falar na complexidade aromática!

As melhores safras de cada país, por região vinícola

França

Bordeaux

Saint Julien, Pauillac e Sint Estèphe: 2009 e 2010

Margaux: 2005 e 2009

Graves: 2005, 2009 e 2010

Pomerol: 2008 e 2009

Saint-Émilion: 2005, 2008, 2009 e 2010

Barsac/Sauternes: 2005 e 2009

Borgonha

Côte de Nuits: 2005 e 2010

Côte de Beaune: 2005

Champagne

Champagne: 1998 e 2004

Rhône

Hermitage: 2003, 2009 e 2010

Châteauneuf-du-Pape: 2007 e 2011

Itália

Piemonte

Barbaresco: 2007

Barolo: 2004, 2006, 2007 e 2010

Toscana

Brunello di Montalcino: 2006, 2007 e 2010

Chianti Classico: 2006 e 2010

Bolgheri: 2004, 2006 e 2009

Espanha

Ribera del Duero: 2004, 2009 e 2010

Rioja: 2004 e 2010

Estados Unidos

Califórnia: 2007, 2012 e 2013

Austrália

Vale do Barossa: 2005 e 2010

Argentina

Mendoza: 2006, 2011 e 2013

Chile

Vale do Maipo, Vale do Colchagua e Vale de Casablanca: 2011 e 2013


Por Gustavo Jazra

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

5 dicas de como escolher vinhos de guarda para a sua adega, por Massimo Leoncini

Continue lendo

As safras extraordinárias de Bordeaux, por Tiago Santos

Continue lendo

5 vinhos a partir de R$48 para quem quer conhecer o Velho Mundo, por Moisés Lacerda

Continue lendo