5 vinhos a partir de R$48 para quem quer conhecer o Velho Mundo, por Moisés Lacerda

Publicado em 04/04/2017

Cada vez mais o consumidor de vinho tem a oportunidade de degustar rótulos variados dentro da faixa de preço entre R$ 40 e R$ 100, produzidos em diferentes regiões vinícolas do mundo, tanto do Novo quanto do Velho Mundo do Vinho.

Até alguns anos atrás era muito comum eu escutar dos meus clientes que era preferível adquirir um vinho do Novo Mundo que custasse até R$ 100, mais especificamente chilenos e argentinos, do que um vinho do Velho Mundo pelo mesmo valor. E ainda sempre deixavam a França de fora dessa cifra, como se não houvesse a possibilidade de adquirir um vinho francês nessa faixa de preço. Com relação à França, de fato ainda hoje existem menos opções dos chamados vinhos de qualidade e preço mais baixo no mercado nacional, principalmente perante a Itália, a Espanha e Portugal.

Essa percepção dos clientes também tinha uma forte influência dos profissionais do mercado, que sempre comentavam do impacto positivo dos vinhos vindo principalmente do Chile e da Argentina, contrapondo-os às poucas opções de qualidade a preços mais acessíveis do Velho Mundo.

Nos últimos dois anos, com a crise econômica que se agravou principalmente no ano de 2015, a forte alta do dólar e o reajuste do Imposto Sobre Produto Industrializado (IPI) no começo de 2016, fez com que os vinhos importados sofressem uma alta considerável. Como consequência, os vinhos de qualidade e preço mais baixos passaram a patamares para mais elevados.

Um dos movimentos que a Grand Cru fez diante desse cenário foi buscar novos vinhos de qualidade a preços mais acessíveis, num processo de escolha minuciosa de rótulos.

O objetivo era procurar, dentro da nossa rede de vinícolas, e também em novos produtores, excelentes rótulos com preço entre R$ 40 e R$ 100 do Velho Mundo, principalmente vindos da Itália, Espanha e de Portugal. No entanto, esses vinhos precisam ser atraentes para o consumidor além do preço, acrescidos de uma insaciável busca pela qualidade, acima de tudo.

O consumidor de vinho moderno está bem mais atento e ousado, experimentando vinhos de estilos diferentes, regiões diferentes e castas diferentes. Ele sabe que isso é um importante aliado para apurar ainda mais o paladar e ter muito mais alternativas e poder de escolha.

Ele entende que não pode mais se deixar guiar pelo preço, já que nem o estigma de que vinhos sul-americanos deveriam ser baratos não existem mais, assim como o de que vinhos do Velho Mundo são necessariamente bons e caros.

Confira minha seleção de 5 rótulos para quem quer começar a beber vinhos do Velho Mundo:

Espanha

O Algairen é um típico Tempranillo espanhol! De excelente custo-benefício, ele encantou aos sommeliers da Grand Cru com uma coloração vívida, rubi com reflexos violáceos e aromas de framboesas e morangos. Mostra o bom uso do carvalho no corpo de leve pra médio que não esconde a vivacidade das frutas.

Vinho Tinto Algairén Tempranillo 2015 750 mL

Portugal

Extremamente frutado, encorpado e com taninos macios, o Terra de Lobos é uma das melhores portas de entrada aos vinhos de Portugal. Fácil de beber e agradar, é daqueles vinhos fáceis e que não precisam de comida para harmonizar.

Vinho Tinto Casal Branco Terra de Lobos 2014 750 mL

Itália

A segunda uva mais cultivada da Itália, a Montepulciano, está entre as favoritas dos italianos para acompanhar os pratos típicos da gastronomia do país. E o Villa Medoro Montepulciano d’Abruzzo nos mostra a cada gole por que é a escolha certa para harmonizar a comida tradicional italiana: lombo suíno com batatas cozidas e especiarias, espaguete ao sugo com almôndegas ou uma tábua de embutidos!

Vinho Tinto Villa Medoro Fontecorvo Montepulciano d_Abruzzo DOC 2013 750 mL

Outra uva italiana que está ganhando cada vez mais paladares ao redor do mundo é a Primitivo. Este exemplar foi assinado pela San Marzano, vinícola pioneira no uso da variedade para produção de grandes vinhos, e mostra o lado mais versátil da variedade. Com caráter frutado e maduro, o Vinho Tinto Santoro Primitivo IGP Puglia é fácil de beber e agradar.

Vinho Tinto Santoro Primitivo IGP Puglia 2014 750 mL

França

Conhecida pelos Bordeaux e Borgonhas, que são complexos e muitas vezes mais caros, a França é um país de difícil entrada para quem está começando a beber vinho. Mas o pontuado 90 Rorbert Parker Domaine Galaman vai agradar dos paladares mais exigentes aos mais iniciantes!

Vinho Tinto Domaine Galaman Rouge 2013 750 mL


Moisés Lacerda se formou Sommelier em 2004 e logo assumiu o comando da adega dos hotéis-escola do SENAC. Depois de alguns anos de caso, tornou-se docente do curso de Formação de Sommeliers até que, em 2012, chegou à Grand Cru, onde hoje assume a posição de Coordenador de Franquias para a região Sudeste.

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

5 dicas de como escolher vinhos de guarda para a sua adega, por Massimo Leoncini

Continue lendo

Conheça a Primitivo, a uva que é considerada a ponte entre o Novo e o Velho Mundo do Vinho

Continue lendo

A vinícola San Marzano e a região da Puglia: conheça o sul da Itália

Continue lendo