Vinhos da Nova Zelândia: a milhas de distância de qualquer lugar...

Publicado em 25/03/2015

Fisicamente distante, a Nova Zelândia é cada vez mais popular no mundo dos vinhos. Conheça este terroir de norte a sul!

Observando o Mapa Mundi, do lado esquerdo, bem lá em baixo, fica a Nova Zelândia. Região produtora mais isolada do planeta, a cerca de 1.600 quilômetros distante da Austrália. O país é composto por ilhas, e como diria Humberto Gehringer: “a milhas e milhas de qualquer lugar”.

E não é só distante: é uma região vinícola muito pouco conhecida!

As primeiras vinhas foram plantadas por volta de 1819, pelo reverendo Samuel Marsden, missionário inglês, porém o primeiro vinho só foi produzido 20 anos depois, por James Busby. Contudo, foi na década de 1960 que, de fato, ocorreu o nascimento da indústria vitivinícola neozelandesa, com a chegada das empresas internacionais que aos poucos se estabeleceram nas regiões mais quentes, onde o amadurecimento das uvas é sempre garantido.

Sua história vinícola é recente, nos anos 80 seus vinhos produzidos com as uvas  Sauvignon Blanc e Chardonnay começaram a ganhar fama internacional, destacando o país no cenário mundial do vinho.

A Nova Zelândia é dividida em duas ilhas, Norte e Sul, e seus vinhedos estão localizados principalmente entre os paralelos 35° e 46° de latitude sul, correspondente às condições físicas e climáticas do Velho Mundo (não fosse a falta de massa continental, responsável pela queda considerável da temperatura). Esta é, sem dúvida, uma das causas da singularidade do terroir neozelandês.

Ao todo, somam-se dez regiões produtoras de vinho, distribuídas pelas duas ilhas:

Ilha Norte

Northland

O clima é mais quente, portanto, é onde reina a uva tinta Cabernet Sauvignon. Além dela, Merlot e Chardonnay também se adaptaram perfeitamente ao clima e ao solo argiloso e vulcânico da região da Ilha Norte da Nova Zelândia, Northland.

Auckland

Henderson, Kumeu e Huapai, são as principais sub-regiões de Auckland. Aqui, cultiva-se Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay, Sauvignon Blanc e a Sémillon.

Waikato e Baía de Plenty

Aqui, os merecedores de destaque são os brancos feitos à base de Chardonnay e Sauvignon Blanc e tintos elaborados com Cabernet Sauvignon.

Gisborne

Situada no extremo leste da ilha, é o vinhedo mais oriental do planeta (sabia disso?). Os vinhedos são geralmente plantados em planícies com solos de calcário-argiloso e vulcânico. A região é grande produtora de uvas brancas como a Chardonnay.

Hawkes Bay

Uma das maiores e mais antigas regiões do país, possui  enorme variedade de solo. A maioria das vinícolas fica no sul, perto de Hastings, onde há o famoso cascalho de Gimblett Road. Essa área quente produz algumas variedades de uvas que compõem o tradicional corte bordalês, cujos blends são comparáveis a muitos dos melhor tintos de Bordeaux.

Wellington

Este é o melhor lugar do país para o cultivo de Pinot Noir, mas a Sauvignon Blanc e Chardonnay se destacam em termos de qualidade.

Ilha Sul

Nelson

Apesar de quente e ensolarada, a região sofre ameaça de chuvas fortes no outono, que transformam o amadurecimento das uvas em algo quase impossível. As variedades cultivadas são: Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling e Pinot Noir, que ocupam praticamente toda a área plantada.

Marlboroug

Dona de praticamente metade dos vinhedos da Nova Zelândia, goza de excelente condição climática para o cultivo de uvas. É a principal região produtora de espumantes elaborados a partir de Chardonnay e Pinot Noir. Os vinhos de Sauvignon  Blanc são igualmente reconhecidos, de grande riqueza aromática e frescor surpreendente.

Canterbury

Os primeiros vinhedos foram plantados aqui na década de 1970. Verões longos e secos, além de invernos rigorosos, marcam o clima da região. As uvas mais plantadas são Chardonnay, Pinot Noir, Riesling e Sauvignon Blanc.

Central Otago

A região de Central Otago está abaixo do paralelo 45°, tem clima invernal e fica na área dos Alpes, protegida das chuvas. Lá, as uvas tendem a ser plantadas nas encostas para aumentar a incidência de sol e escapar às geadas. A reputação de Otago deve-se, sobretudo, à Pinot Noir.

Agora que você já sabe o que beber na Nova Zelândia é só preparar o passaporte e escolher o que fazer por lá! Boa Viagem!

 

 

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

A Austrália no Mapa Mundi dos vinhos

Continue lendo

O Guia Completo dos Vinhos Brancos: quais as uvas, como servir, como harmonizar

Continue lendo

Chocolate e vinho: aprenda a combinar!

Continue lendo