Mês das Mulheres: Vinhos, Confrarias e Amigos, por Keli Bergamo

Publicado em 09/03/2017

Quem escreve como convidada no nosso especial Mês das Mulheres de hoje é Keli Bergamo, advogada, professora de enogastronomia e membro da Confraria Feminina do Vinho de Londrina, uma confraria exclusiva para mulheres no Paraná.

Nem sei quando o vinho entrou em minha vida, mas sei que Londrina, para onde me mudei para cursar Direito, foi essencial para que ele se tornasse parte de mim.

Já adorava vinhos, tomava com meu pai e alguns amigos e sempre tive curiosidade em conhecer mais e mais. Viajava e comprava livros sobre o tema e morria de vontade de participar de degustações que via em revistas e na internet.

No início de 2006 vi uma nota em uma coluna social que duas mulheres estavam formando uma confraria de vinhos na cidade. Eu não sabia bem do que se tratava, mas imaginei que aquilo não seria sério. A mãe de um amigo meu, no entanto, participou desse primeiro encontro e voltou encantada. Não resisti e no segundo encontro me tornei “confreira” também.

A Confraria Feminina do Vinho de Londrina (Cofevil) virou inspiração para outros grupos por sua organização. É registrada como associação, possui estatuto, cargos determinados e eleição anual. São 10 degustações por ano, conduzidas por profissionais e pelas próprias “confreiras”, que trazem seus conhecimentos e experiências para o grupo. Nesses 11 anos estive fora da diretoria apenas no último, sendo presidente por 2 deles.

Mas se a Cofevil inspirou muita gente não iria fazer isso comigo também?

Passei a estudar, fazendo cursos, frequentando eventos profissionais e conversando com muita gente que conhecia sobre vinhos. E quanta sorte tive nisso! Por meu caminho sempre tive pessoas especiais que dividiram taças e histórias e isso também foi inspirador.

Nesses anos fui notando o interesse cada vez maior pela cultura do vinho e a convite de uma amiga, passei a escrever para um blog de gastronomia. Dele nasceu há 2 anos meu próprio espaço, o Vinhos por Keli Bergamo (www.kelibergamo.com.br) e uma coluna quinzenal no Arquitetando Estilos (www.arquitetandoestilos.com), onde divido com os seguidores dicas dos vinhos que provei e das experiências que tive. Sem formalidades, apenas o que já fazia para os amigos que sempre pediam dicas do que comprar, com o que harmonizar…

Paralelamente, auxiliei na formação de vários grupos de degustação femininos e mistos no Paraná e São Paulo, alguns apenas com informações e consultorias , ou como faço na Quintas de Vinho, organizando os eventos mês a mês, cuidando da seleção dos vinhos, do cardápio e conduzindo as degustações.

Mas porque essas confrarias, esses grupos de degustação fazem tanto sucesso? Muitas vezes o apreciador não quer uma “aula” de vinhos, não quer tanta tecnicidade e, principalmente: não quer um diploma. Quer apenas beber melhor, comprar melhor, receber melhor… As confrarias tornam o aprendizado do vinho mais leve, mais próximo do dia a dia.

Quebrar a falsa sisudez do vinho, degustar rótulos nunca antes pensados, proporcionar viagens pela degustação. É disso que mais gosto quando estou à frente de um grupo de degustadores.

E o assunto foi ficando sério… Hoje, além das confrarias e degustações temáticas, levo esse amor pelos vinhos aos alunos de gastronomia da Menu Escola de Gastronomia e vejo, a cada taça, mais um apaixonado nascendo.

Keli em umas das aulas de enogastronomia que ministra na Menu Escola de Gastronomia.

Mas é fácil ser mulher no mundo do vinho? Definitivamente não! Já encarei olhares de descrença, perguntas maldosas e “desafios” como modo de me desmerecer. Falando de uma mulher, do interior e que não é exclusivamente uma profissional do vinho (lembrando que sou advogada) o preconceito aumenta ainda mais. Mas não estou brincando de trabalhar com vinho e cada um desses desafios me mostra que só tenho que continuar nessa caminhada.

Como eu disse, cada novo apaixonado que nasce a partir de uma degustação me inspira a continuar a escrever e falar sobre algo que amo tanto.

De um jeito ou outro as mulheres estão ganhando seu espaço.Quer perde tempo e bons vinhos é quem não nos acompanha.

Até a próxima taça,

Keli Bergamo.


Keli Bergamo é catanduvense de nascimento e londrinense de coração. Divide seu tempo entre a advocacia e sua carreira no vinho. É especialista em vinhos pelo WSET, autora em Vinhos por Keli Bergamo e Arquitetando Estilos, e professora de enogastronomia na Menu Escola de Gastronomia, em Londrina, PR.

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

Especial Mês das Mulheres: Entrevista com Daniela Salinas, enóloga da Morandé Adventure

Continue lendo

Especial Mês das Mulheres: Os ovos de concreto e outras tendências no mundo do vinho, por Noelia Juri

Continue lendo

A escolha do vinho certo no restaurante, por Daniella Romano

Continue lendo