9 tendências do mundo do vinho para 2017

Publicado em 20/12/2016

Conversamos com a nossa equipe de Sommeliers para trazer nessa matéria as principais tendências para o mundo do vinho que você precisa ficar de olho em 2017! Descubra quais são os tipos de vinhos que serão mais falados e já prepare sua lista de rótulos para degustação!

1. A descoberta dos vinhos rosé pelos brasileiros

O vinho rosé é uma das grandes tendências de consumo para 2017. E sabe porquê? O rosé é a substituição perfeita para a cerveja na mesa de bar, programa tão adorado pelos brasileiros!

Como esse tipo de vinho apresenta um leve amargor no after taste – assim como a cerveja do tipo Pilsen – ele consegue limpar o paladar entre um aperitivo e outro de bar, além de harmonizar perfeitamente bem com frituras e petiscos que tanto adoramos, como linguiça e batata frita, frutos do mar e queijos à milanesa.

Saiba mais sobre os vinhos rosés como substitutos da cerveja.

Vinho Rosé Leyda Reserva 2015 750 mL

2. Vinhos naturais e orgânicos continuarão em alta

A onda da alimentação orgânica e natural invadiu também o mundo dos vinhos. O mercado de apreciadores que buscam cada vez mais por garrafas com o mínimo de interferência industrial e baixa porcentagem de aditivos químicos só cresce. Dentre as grandes linhas de cultivo, três se destacam entre as demais: os vinhos naturais, os vinhos orgânicos e os vinhos biodinâmicos.

Enquanto os vinhos orgânicos ganham os mesmos selos que os alimentos orgânicos, garantindo que não foram utilizados pesticidas e fertilizantes industriais, os biodinâmicos são provenientes de vinhedos que procuram uma integração total entre natureza, animais e seres humanos. Os naturais, por sua vez, focam em um modelo de cultivo com a mínima intervenção humana possível. Com muita personalidade, esses vinhos marcam o paladar de todos os que os provam.

Nessa matéria explicamos com detalhes a diferença entre os três tipos de vinho, e aqui temos um especial sobre os vinhos biodinâmicos.

Vinho Tinto Menguante Garnacha 2015 750 mL

Vinho Tinto Menguante Garnacha 2015 750 mL

3. A uva Cabernet Franc na Argentina

A Cabernet Franc é uma uva francesa muito importante no mundo do vinho por fazer parte do tradicional corte bordalês. A única região onde a casta era trabalhada como varietal era no Vale do Loire, mais precisamente na denominação de origem Chinon.

Imagine a surpresa quando essa uva começou a ser cultivada para produzir vinhos varietais fora do vale francês, aqui na nossa vizinha Argentina. A proposta inovadora está experimentando diversas formas de trabalhar a uva, que ainda está se encontrando no país. Sua principal característica são as notas herbáceas, principalmente de folhas. Não deixe de provar!

Vinho Tinto Zorzal Eggo Cabernet Franc Franco 2015 750 mL

Vinho Tinto Zorzal Eggo Cabernet Franc Franco 2015 750 mL

4. Os vinhos da moda: vinhos laranja

A expressão “vinhos laranja” não saiu da boca dos Sommeliers em 2016. Mas, afinal, seriam os vinhos da laranja um novo tipo de vinho, assim como os tintos, os brancos e os rosés? Nada disso! Na verdade, os vinhos laranjas são vinhos brancos produzidos de forma ancestral, com um processo muito semelhante aos tintos. Dessa forma, eles ganham corpo estrutura e taninos, se tornando vinhos brancos muito interessantes. Não à toa estão tão na moda!

Vinho Branco Bodegas RE Pinotel 2015 750 mL

Vinho Branco Bodegas RE Pinotel 2015 750 mL

5. Os espumantes brasileiros ganham o mundo

Os espumantes brasileiros estão ganhando o mundo! Em meio à Serra Gaúcha, no Rio Grande do Sul, uma pequena comunidade de vinicultores se reuniu para conquistar a primeira Denominação de Origem brasileira! E, dentro dela, estão saindo os espumantes considerados pela Master of Wine Jancis Robinson como uma das 10 promessas para o futuro do vinho no Novo Mundo: os espumantes da vinícola Cave Geisse.

Espumante Victoria Geisse Extra Brut Vintage 750 mL

Espumante Victoria Geisse Extra Brut Vintage 750 mL

6. Vinho com menos passagem por madeira

Os vinhos com pouca – ou nenhuma – passagem por madeira estão ganhando o gosto dos apreciadores de vinho! Os vinho envelhecidos, além de mais caros, acabam perdendo as suas características mais marcantes e adquirem as notas da madeira da qual são feitos os barris. Além disso, o carvalho tem a capacidade de camuflar os defeitos do vinhos, o que pode ser bastante indesejado.

Não à toa, os apreciadores da bebida estão em busca de vinhos cada vez mais puros e que mostram sua personalidade: de onde vieram, as características dos seus vinhedos e claro, da uva da qual são produzidos.

Além disso, os vinhos sem passagem por madeira possuem um melhor custo-benefício do que os envelhecidos, já que entregam uma qualidade superior, por um preço mais em conta, e isto também vale para os rótulos do Velho Mundo.

Vinho Tinto Algairén Tempranillo 2015 750 mL

Vinho Tinto Algairén Tempranillo 2015 750 mL

7. Vinhos autorais

Vinhos autorais não são apenas rótulos assinados por grandes enólogos, mas o fruto de um trabalho de experimentação e pesquisa que traz uma inovação para o mundo do vinho. Os vinhos laranja, por exemplo, nasceram de um trabalho cuidadoso de resgate de processos ancestrais na garagem de algumas vinícolas – e hoje ganharam o mundo!

Pablo Morandé é um desses enólogos cujo trabalho precisamos acompanhar de perto. Este ano, ele lançou sua vinícola autoral, a Bodegas RE, e mostrou para o mundo um trabalho nunca antes visto no mundo do vinho: vinhedos com parreiras híbridas, que dão origem a duas cepas de uvas diferentes, em uma só árvore!

O Vinho Tinto RE Doble, que indicamos abaixo, é um corte misto de Garnacha e Carignan, duas uvas diferentes que crescem juntas nas mesma videira, enxertada com uma variedade em braço da planta. É como se fosse um novo cruzamento de uva – totalmente inovador.

Vinho Tinto RE Doble 2015 750 mL

Vinho Tinto RE Doble 2015 750 mL

8. Preferência por comprar do pequeno produtor

Comprar do pequeno produtos de vinho: esta é uma das maiores tendências para 2017!

A procura por vinhos com história não para de crescer. Ao invés de grandes vinícolas com processos quase industriais e um grande departamento de marketing por trás de seus lançamentos, pequenas propriedades familiares, que dominam a arte da vinicultura há gerações, e que conhecem com profundidade sua terra, suas uvas e seus vinhedos.

São vinhos regionais, que acumulam sabedoria ancestral, e feitos para harmonizar com a gastronomia rústica de sua região de origem!

Vinho Tinto Pecchenino Dogliani DOCG San Luigi 2015 750 mL

Vinho Tinto Pecchenino Dogliani DOCG San Luigi 2015 750 mL

9. Vinhos com bom custo-benefício

Quem entende e gosta de um bom vinho sabe: um rótulo caro não é necessariamente o melhor vinho. Assim como o mais barato também não indica uma qualidade necessariamente inferior.

Por isso a expressão custo-benefício do vinho tem estado tão em voga. Ela mostra a relação entre a qualidade de um rótulo específico, em comparação com os outros da mesma faixa de preço. Isso significa que, quando indicamos um vinho com excelente custo-benefício, estamos mostrando um vinho que se destaca em qualidade e complexidade dentre todas os outros que custam o mesmo tanto que ele.

Temos uma matéria especial aqui que fala sobre o que significa um bom custo-benefício no mundo do vinho, e nessa outra preparamos uma lista com os 10 vinhos com o melhor custo-benefício da Grand Cru, por menos de R$70!

Vinho Tinto Circus Cabernet Sauvignon 750 mL

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

Sicília: descubra porque os vinhos da ilha italiana estão na moda

Continue lendo

Vinhos orgânicos, naturais e biodinâmicos: o que são, quais as diferenças entre eles e como encontrá-los

Continue lendo

10 vinhos de até R$70 com excelente custo-benefício

Continue lendo

O que significa, afinal, bom custo-benefício ao falar de vinho?

Continue lendo