O que você precisa saber sobre Valpolicella

Publicado em 02/06/2016

As colinas logo atrás da cidade de Verona ficaram conhecidas pelos grandes Amarones della Valpolicella que lá nascem, mas muitos outros estilos de vinho são produzidos sob a denominação de Valpolicella – desde simples tintos do dia a dia até vinhos de sobremesa.

Foi o surgimento do Amarone della Valpolicella – e o seu sucesso entre sommeliers, críticos e enófilos – que chamou a atenção do mundo do vinho para as colinas localizadas logo atrás de Verona, no Vêneto, nordeste da Itália. Embora seja esse o seu ícone, a região produz diversos estilos de vinho que merecem atenção de amantes de vinhos italianos.

Vinhedos em colinas de Valpolicella.

Recioto della Valpolicella, o principal vinho de sobremesa do Vêneto

Eis o vinho que, por engano de um enólogo, deu origem ao Amarone della Valpolicella (saiba mais abaixo). Depois de colhidas, as uvas autóctones da região – principalmente Corvina, Rondinella e Molinara – eram ressecadas por seis meses em esteiras de madeira em um galpão ventilado, processo conhecido por “appassimento”, e então prensadas para dar origem ao Recioto. Durante o processo, as uvas perdem água e concentram açúcares, acidez, sabores e aromas. Antes de completar a transformação de açúcar em álcool, a fermentação era interrompida, resultando em um vinho doce, pouco alcoólico e complexo.

shutterstock_394783957

Uvas em processo de “appassimento”

Amarone della Valpolicella, o grande ícone da Itália que nasceu por engano

Reza a lenda que o Amarone della Valpolicella surgiu há aproximados 70 anos por erro de um enólogo. O erro que teria cometido? Ele simplesmente se esqueceu de interromper a fermentação e todo o açúcar foi transformado em álcool, resultando em um vinho amargo se comparado ao Recioto (daí o nome!). Amarones são vinhos secos, extremamente intensos, encorpados, alcoólicos e complexos, justamente por serem feitos com as uvas apassitadas.

Soprasasso Valpolicella Amarone DOCG 2012 750 mL

Ripasso della Valpolicella, entre o Amarone e o Valpolicella Classico

O Ripasso está exatamente entre o Amarone e o Valpolicella Classico. Isso porque são vinhos feitos misturando-se ao Valpolicella Classico um pouco de uvas apassitadas, usadas para fazer o Amarone e o Recioto. O vinho é refermentado até o final, transformando o açúcar em álcool. Basicamente um Valpolicella Classico com toque a mais de complexidade e corpo – uma excelente porta de entrada ao grande ícone da Itália (que certamente terá preços mais amigáveis!).

Valpolicella Classico, os tintos do dia a dia

Os tintos mais simples do Vêneto são conhecidos como Valpolicella Classico. Feitos com as principais uvas da região – as mesmas do Ripasso, do Amarone e do Recioto -, são leves e fáceis de beber. Justamente por não terem grande exuberância de aromas e pela alta acidez, costumamos dizer que são vinhos gastronômicos. Acompanham muito bem pratos com base de molho de tomate.

Vinho Tinto Tedeschi Valpolicella Superiore DOC 2013 750 mL


Por Gustavo Jazra

Esta matéria fala sobre:

Matérias relacionadas:

Conheça os cinco B’s da Itália: Barolo, Barbaresco, Barbera, Brunello e Bolgheri

Continue lendo

5 restaurantes estrelados pelo Guia Michelin para visitar, por Paola Perroti

Continue lendo

3 receitas de lasanha para todos os gostos

Continue lendo