5 wine bars para conhecer em Nova York

Publicado em 03/10/2017

Selecionamos 5 wine bars na Big Apple que valem a pena a visita durante a sua viagem. Cheers!

Por Giovanna Ferraz Borges

Nova York é conhecida por seus famosos coquetéis, como o Cosmopolitan e o Manhattan, certo? Correto, mas não só pelos drinks! Para você ter uma ideia de como o vinho também é a bebida estrela de Nova York, segundo o website Wine Business cerca de 60% dos nova-iorquinos consomem pelo menos uma taça da bebida todos os dias ou ao menos três vezes na semana. Atualmente, de acordo com a New York Wine & Grape Foundation, a indústria vitivinícola de Nova York gera mais de 4,8 bilhões de dólares por ano para o Estado de Nova York, provando que a cidade não é feita apenas de drinks.

A cidade é também muito reconhecida por seus bares e restaurantes que possuem algumas das melhores – e maiores – cartas de vinho do mundo! O restaurante ‘21’ Club, por exemplo,  possui uma carta de vinhos com 1.450 rótulos selecionados de uma adega com 20 mil garrafas! Já o Per Se conta com a ajuda de um iPad para que os visitantes escolham um vinho entre os mais de 2.100 disponíveis na casa.

Lois

O Lois é tradicionalmente conhecido pelas suas cervejas artesanais e coquetéis, mas há alguns anos foi repaginado pelos donos da rede Alphabet City, que deram um up no estabelecimento trazendo vinhos de alta qualidade. O diferencial do Lois é que eles não servem os vinhos na garrafa e, sim, em torneiras, reduzindo o preço da taça e evitando o desperdício. Ao total, são 16 variedades de uvas servidas em 4 tamanhos de taça diferentes, sendo o mais caro o de 1 litro, servido em um decanter, que custa entre US$34 e US$58.

Your weekend plans are shaping up 📸: @wagtouicz

A post shared by Lois (@loisbarnyc) on

Corkbuzz

O Corkbuzz é um wine bar, restaurante e escola de enologia. O ambiente moderno e o cardápio contemporâneo elevam o estilo do ambiente, que não entrega os bons preços dos vinhos – uma taça custa a partir de US$ 10. A proprietária Laura Maniec, a mais jovem das únicas 24 mulheres que são master sommeliers no mundo, faz questão de orientar cada mesa e sugerir os rótulos conforme a escolha do prato. Curiosidade: são mais de 35 opções de vinhos em taça e cerca de 250 rótulos diferentes.

Giving you a sneak peek of big things to come next month with @lauramaniec 🎥🍷🙈

A post shared by CORKBUZZ by MS @LauraManiec (@corkbuzzwine) on

Rebelle

As portinhas azuis escondem o ambiente moderno e intimista que o Rebelle possui. Aberto para brunch e jantar, o restaurante faz questão de destacar que os vinhos são as estrelas do estabelecimento. Por isso, apesar de ter opções de menu bem elaboradas, o cardápio é compacto. O que chama atenção dos clientes é a carta de vinhos imensa, com 1.500 rótulos disponíveis (imagine o peso…!). O destaque vai para a enorme variedade de vinhos franceses e americanos.

The Four Horsemen

O The Four Horsemen foi criado por James Murphy, ex-líder da LCD Soundsystem, e ganhou fama devido à banda. O estabelecimento moderninho ganha toques aconchegantes e caseiros, como aparelhos de som vintage, teto de madeira e estante com livros que podem ser emprestados para os clientes enquanto estiverem no local. A cozinha é aberta e a ideia é que os visitantes se sintam em casa. A carta de vinhos possui mais de 30 rótulos, sendo a maioria deles naturais e orgânicos, vindos da Europa Ocidental e dos Estados Unidos.

The Immigrant

A ideia do The Immigrant é fazer a clientela viajar no tempo. Na fachada do restaurante, o carro antigo parado na porta atrai os passantes, que ficam curiosos para conhecer o seu interior. Ao entrar, a sensação é de estar em um filme: ambiente a luz de velas, decoração feita de madeira maciça e tijolos expostos. A equipe é muito amigável e está disposta a ajudar na escolha dos variados rótulos, sejam eles de garrafas ou servidos a partir de torneiras. O preço da taça começa com U$S 8, e o cardápio oferece algumas opções de petiscos para acompanhar o vinho a ser degustado.

Apaixonada por viajar, a jornalista Giovanna Ferraz Borges é uma verdadeira colecionadora de carimbos em seu passaporte. Depois de viver em São Paulo, Londres e em Lyon, escolheu Montreal como a sua segunda cidade – mas faz questão de dizer que o mundo é o seu lar. Aqui, na Revista Digital da Grand Cru, assina a coluna Aperte os Cintos, com as melhores dicas de turismo!

Esta matéria fala sobre: Aperte os cintos

Matérias relacionadas:

8 casas de jazz em São Paulo para quem gosta de música ao vivo

Continue lendo

7 rooftops para você curtir o pôr do sol em São Paulo com uma taça de vinho na mão!

Continue lendo

9 Wine Bars em São Paulo que você precisa conhecer

Continue lendo